jump to navigation

30>Tabuleiro – Rabo de Cavalo>05.04.07 abril 13, 2007

Posted by bttgeraes in 1.
trackback

………………………………………………………………………………………

Ficha Técnica

Localidade: Tabuleiro, Conceição do Mato Dentro – MG

Data: 5 de abril de 2007
Distância Total: 24km em 6 horas
Reabastecimento d’água: sim
Sinal de Celular: não
Tipos de via:
-estrada de terra: 10%
-trilha em campo: 40%
-trilha em mata: 50%
Navegação: difícil
Nível de Dificuldade: alto

………………………………………………………………………………………

A região do Tabuleiro, no município de Conceição do Mato Dentro, se tornou nos últimos 5 anos o “pico” dos esportes de aventura e também dos “ecoturistas” de cerveja na mão. Base-Jumpers, bttistas, escaladores de big-wall e trekkers de longas distâncias têm usado as encostas e os topos dessa parte do Espinhaço para se divertirem ou testarem seus limites.

273-metros.jpg

Fortalecendo amizades, pernas e corações

Tomei conhecimento dessa rota alguns anos atrás, quando os amigos Diogo “Mad Pro” Borges e Tico “Dinossauro” Rico ligaram o vilarejo do Tabuleiro à cachoeira do Rabo de Cavalo, usando uma passagem exclusiva para cavaleiros e moradores da região. O fato desse caminho não estar exposto em estradas, mas sim, escondido em trilhas tortuosas e ermas, gerou grandes expectativas. Até que na Semana “Santa” de 2007, o filé foi devidamente saboreado.

na-estrada.jpg

Quinta-feira, 15h00 – Munidos de duas lanternas, GPS, lanche de trilha e de um croqui da rota fornecido e explicado pela família Storck, partimos da vila passando à direita da bifurcação do poço Parí, rumo ao cemitério. Era o primeiro dia do feriadão e não tínhamos a certeza de que alcançaríamos a queda do Rabo de Cavalo devido a noite que chegaria em 3 horas. Chegando ao cemitério, escalamos o pasto em frente em um single liso e bastante inclinado que ofereceu um belo visual da encosta leste da serra do Intendente.

partindo.jpg

A partir do topo desse pasto, a trilha perde altitude indo ao encontro do córrego da Cerca. Além das primeiras baixadas surgem também os primeiros degraus e erosões. Depois de cruzarmos esse primeiro riacho, uma sequência de aclives curtos, topos e declives nos leva para longe do Tabuleiro, sempre por trilha.

single1.jpg

single2.jpg

Nessa perna da rota as únicas referências para navegação são velhas porteiras, poucas moradias e alguns capões de mata. Esse trecho é todo pedalado visando a passagem da micro-bacia do córrego da Cerca para o córrego Teodoro, já na região do Rabo de Cavalo. A trilha segue serpenteando entre riachos e sombras até que um núcleo de 3 ou 4 casas marca o fim da transição.

single5.jpg

A mata finalmente nos cospe em um pasto amplo, onde ganhamos ânimo com a navegação mais ágil e de fácil interpretação. A vertente da serra já deixa à mostra o cânion que estamos visando.

single31.jpg

single4.jpg

A aproximação é feita com mais agressividade na pilotagem e as bikes puxam com força pra baixo numa estradinha vicinal. Pela primeira vez no dia as correntes se esticam nas coroas fazendo a poeira subir.

estrada.jpg

aproxima.jpg

aproxima2.jpg
Duas moradias simples marcam o início da investida final. A trilha ainda pedalável rompe pra dentro do cânion. Logo abandonamos as magrelas em um bambuzal e o ataque segue nos cascos das sapatilhas. Sinto a ansiedade aumentar bruscamente quando percebo a diminuição rápida da claridade. Enquanto subimos pela leito do ribeirão, tento convencer Daniel de abortar a chegada ao poço. Em vão. Argumento que a navegação noturna pode ser complicada, mas desisto ao perceber que é tarde demais. Quando finalmente entramos no poço imenso, negro e gelado, esqueço de qualquer preocupação e relaxo. Tento solidificar a confiança nas lanternas, nas bikes, e claro, em nossas pernas e cérebros para o retorno.

rabo-de-cavalo.jpg

Eram 17h45 quando a luz começou a rarear. Voltamos às pedras na margem e comemos o lanche. O objetivo agora era chegar até as bikes antes que a escuridão chegasse até nós. De bloco em bloco, voltamos até as magrelas e as carregamos para o início da trilha. Head lamp na testa, prendi a segunda lanterna na GT do Daniel. Cercados pela noite, partimos entre a apreensão e a aventura. A subida inicial foi tranquila, depois, abandonamos o curto trecho de estrada e cortamos o pasto por um single-track de longa e suave ascenção. Por quase 20 minutos em silêncio, lado a lado, cortamos o breu rumo a boca da trilha. Até que um som seco levanta uma nuvem de poeira branca-amarelada. Daniel havia comprado um terreno, subindo. Com a concentração de volta, alcançamos a entrada da transição.

De volta à trilha prevaleceu a ironia de que no trecho mais técnico e fechado, com menos chance de qualquer presença humana, seria mais difícil de errarmos, afinal não havia bifurcações.

Entre pequenos trechos de empurra e descidas rápidas e adrenantes, subia a poeira na noite escura. Hora eu guiava, hora guiava Daniel. A tensão deu lugar a um leve sorriso quando avistamos o primeiro riacho cruzado à tarde e que seria o último da noite. Depois de 1h30 de retorno, paramos ali e desligamos as luzes. Papeamos sentados na grama e finalmente a lua ainda cheia surgiu por trás da serra do Intendente. Foi demais. A noite clareou devagar, até que a trilha apareceu nítida sob os pneus.

O trecho final da volta foi de pura paz e diversão. Ainda comprei mais um terreno no pasto próximo ao cemitério. Dolorosa ironia: dos 3 tombos da noite, o pior foi na saída da trilha. Eram 21h40 quando chegamos ao pouso do Gil, cansados, esfomeados, sujos e principalmente, agradecidos. Enquanto devorávamos a melhor costelinha da minha vida, escutamos as piadas do Guilvam sobre chamar o resgate e afins. Depois, com uma lata gelada na mão e curtindo um blues, sentamos com a equipe do Rupestre e papeamos noite adentro. Era o início do feriado que continuaria com outras quebradas insanas dessa parte do Espinhaço.

boulder.jpg

dsc03263.jpg

Anúncios

Comentários»

1. de novo - abril 13, 2007

ces são doido?

ces saíro 3h da tarde??!!!!

abraxx

2. daniel ayer - abril 24, 2007

Pois é, saímos as 3hs da tarde pq a trilha chamou a gente, e nos fomos, perrengue, cansaço e belas paisagens nos acompanharam e pra fechar, chegando na vila de tabuleiro demos de cara com a lua, cheia por sinal, e foi por ela que esperamos a trilha toda.
valeu a serra do intendente, valeu as minas gerais e o povo da rupestre.

daniel

3. Tyrone Menezes - abril 24, 2007

parabens ae galera…. passeio violento….

4. Fernando - abril 24, 2007

vces são “batutas” !! já fiz de dia este trecho e foi lindo! a noite com lua cheia deve ter sido “lisérgico” !!! parabens!

5. Marco V Hermeto - abril 29, 2007

Martuse, to cobrando os adesivos! Percursso muito bom esse aí hein? Vcs marcaram em GPS?

6. bttgeraes - maio 2, 2007

Ola Marco, beleza?

Os adesivos vao sair essa semana, e vamos colocar aqui no blog um mecanismo de envio pra quem quiser. Aguarde, sera divulgado aos interessados.

abraco!

martuse

7. Bruno Lima - maio 4, 2007

É galera, cada dia me surpreendo mais com a ‘insanidade’ destes Bttistas…. Parabéns o rolé deve ter sido d+…. será que vcs poderiam me repassar o arquivo GPS???

8. Daniel - maio 8, 2007

Aí Bruno e Marco…quem tem as informações de GPS é o Guga, ele vai saber te passar isso, outra opção é pegar o Croqui da trilha que já foi desenhado anteriormente pelo pessoal da Rupestre. Acredito que o Guga também tenha esse Croqui. Ele é bem claro, não tem erro. No mais galera, o passeio é louco demais. Vai lá repetir e dar o relato de vcs.
abraço a todos.
Daniel

9. Márcia Guerra - maio 28, 2007

Olá,

Parabéns pelos belos passeios desafiadores, e de um percurso maravilhoso, é isso aí!!!

Gostaria de conhecer a ficha de cada aventureiro desse no site , é possível? Estou planejando fazer um passeio até diamantina, vcs já fizeram? Tem o mapa para me emprestar?
Tb adoro pedalar e já participei de 4 corridas de aventura, e uma delas foi na Serra do Cipó. Foram 4 dias e duas noites vendo cada paisagem indescritível.

Fico no aguardo,

Bjos
Márcia Guerra

10. Wagner Araújo - julho 18, 2007

Moçada, disponibilizem o croqui da trilha para nós. Abs.

11. Tinim Augusto souza - janeiro 20, 2009

Aí, galera, antes de vcs irem eu já havia estada em Rabo de Cavalo, sem croquis e sem GPs, apenas com um rascunho feito pelo Gil. Aki, já foram na parte de cima da Rabo d Cavalo? É d+, cara. Muito bonito mesmo. Se quiserem, levo vcs lá, de graça. Há muito, caminho pelo Intendente só na exploração, e conheço cada lugar!!!
Meu email: minit4891@yahoo.com.br/ msn= minit4891@hotmail.com/
orkut: tinim augusto souza
(Tô querendo explorar o Poço do Soberbo. Alguém conhece?)

12. Rodrigo Silva - fevereiro 9, 2009

Campeão, vc tem as coordenadas da posição da cachoeira, ou tem marcação da trilha pra gps ? Muito Grato… Já fiz a travessia lapinhaxtabuleiro, Cachoeira da capivara (juquinha) x tabuleiro, to querendo esticar ate a rabo de cavalo, se puder ajudar, ou se quiser mais inf. sobre as travessias acima, entra em contato.

13. MARLUCIA - outubro 3, 2009

LINDA PAISAGEM GOSTARIA DE VER MAIS

14. Carol - abril 30, 2010

Este lugar é mesmo maravilhoso!!!! Foi ótimo ver estas fotos e relembrar como vale a pena fazer essa trilha!


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: