jump to navigation

48>Bolívia-Ruta de la Muerte>26.08.09 janeiro 16, 2010

Posted by bttgeraes in 1.
trackback

…………………………………………………………………………………

Ficha técnica:

Localidade: La Cumbre | Coroico – Bolívia
Data: 26 de agosto de 2009
Distância total: 65km em 4 horas
Reabastecimento d’água: sim
Sinal de celular: não
Tipos de via:
– estrada de asfalto: 30%
– estrada de terra: 50%
– estrada de terra vicinal: 10%
– trilha em mata:10%
Navegação: Rota indicada
Nível de dificuldade: alto

……………………………………………………………………………………

Ruta - Google Earth

Trecho da trilha, serpenteando nas encostas das íngremes montanhas Andinas

Bttgeraes pedalando nos Andes

O famoso btt pela “Ruta de la Muerte”, nas proximidades de La Paz, Bolívia, até a localidade de Coroico, é passeio imperdível para qualquer adepto de esportes de adrenalina. E para os que são como nós, grandes entusiastas das “bicicletas de montaña”, esta descida de 65 km certamente é um episódio especial para qualquer currículo de trilhas.

By Karsten Rau

Mapa da trilha

A denominação “Rota da Morte” se deve ao fato de que não poucas pessoas pagaram com a vida o preço de se aventurar pela precária e sinuosa estrada, serra abaixo, num desnível de aproximadamente 3000 metros, numa época em que ônibus, caminhões, motos e carros não tinham outra opção senão transitar por este caminho. Hoje, a “Ruta” é utilizada exclusivamente para finalidades eco turísticas, sobre bicicletas. Mas o perigo ainda é iminente, a todo tempo. As cruzes em tributo às almas dos que aqui se foram não nos deixam esquecer, pois estão em cada curva. Portanto, seja qual for sua crença ou sua fé, vale a pena um conversa íntima com aquele que lhe guia e pedir proteção especial.

Aqui Jaz

Aos que aqui se foram

Pois bem, como entrar na trilha? Estando em La Paz, facilmente se encontra uma série de agências que operam este passeio. Basicamente, o que diferencia um serviço de outro é a configuração das bicis. É aconselhável pagar um pouco mais por um bom equipamento, incluindo suspensão traseira e freios de qualidade. Seu corpo agradecerá por isso ao fim das 4 horas de constantes trepidações e adrenalina a mil.

Vamos ao relato: pela manhã bem cedo uma van nos conduz, em pouco mais de uma hora, a um lugar conhecido como “La Cumbre”. Estamos no alto da montanha, a 4.640 metros de altitude, ponto de partida para a aventura.

La Cumbre

Ponto de partida

Os primeiros quilômetros são em estrada de asfalto, numa região muito bela e igualmente fria, a ponto de adormecer os dedos das mãos, quase impedindo o ciclista de acionar os freios. Mas é hora de velocidade, de esticar a corrente e seguir ladeira abaixo, mais rápido que os carros ou caminhões.

Primeiro Trecho

Muito frio e velocidade aí

No asfalto

Visual incrível dos Andes

Mais a frente, um longo túnel, em pleno breu. Por segurança, contornamos pela direita, num trecho de trilha em mata.
túnel

Saída do túnel

Alguns minutos mais e uma parada para pagamento da taxa do parque se faz necessária. Neste momento, novamente os ciclistas e as btt entram na van para um trecho de longas e fortes subidas, até estacionarmos à beira do asfalto numa saída de terra. Eis a ruta, propriamente dita.

bttgeraes !!

Pausa para fotos

La Ruta

Íngremes e sinuosas ladeiras na Rota

Algumas orientações são passadas pelo guia, sobretudo a respeito de segurança e procedimentos gerais e o pedal recomeça, desta vez numa estreita estrada, repleta de pedregulhos. Toda atenção se faz necessária, principalmente no início, onde as curvas são acentuadas e geralmente uma densa camada de neblina cobre a pista.

Neblina

Pouca visibilidade neste trecho

Em alguns momentos, pequenos cursos d’água que descem pelas encostas rochosas atravessam a pista, tornando a passagem mais delicada e claro, mais suja. Quem pedala, sabe bem: btt + água + poeira = lama na roupa !!

Algumas paradas, sejam elas pra descanso, lanche, fotos ou contemplação vão pontuando o caminho, que parece não ter fim, para nossa total alegria. As descidas predominam por quase todo o tempo, mas trechos planos e pequenas subidas surgem ocasionalmente. Estamos na transição entre o clima de alta montanha e a floresta tropical. Com a perda de altitude, vamos trocando a vegetação rasteira, o frio e neblima por densas e úmidas florestas, calor e sol aberto.

Panorama da Estrada

Entrando na floresta

Floresta Tropical

Tempo abrindo

A segunda metade do percurso é mais rápida, onde se pode dispor de um caminho mais largo, facilitando as curvas em alta velocidade. Mas é bom não se esquecer: 100 % do caminho é à beira do precipício, onde uma simples falha pode ser, senão fatal, bastante desastrosa.

Deu medo ?

Mais pirambeira

Trecho mais famoso da Ruta de la Muerte

Seguimos descendo pela pista principal até o ponto por onde abandonamos pela esquerda este curso, ingressando numa trilha mais estreita, por vezes num “single track” bem rápido e técnico. Ponto alto da rota !! Principalmente quando nos deparamos com uma trilha de pouco mais de um palmo de largura, cortando caminho pela montanha, num desnível quase vertical e suas curvas em “parafuso”. Muito poucos se arriscam por esta opção. A maior parte decide seguir pela trilha convencional. Nossos companheiros escoceses nos desejam “good luck” e “nosotros vamos, montaña abajo”!!

Esticando as correntes!!

Trecho rápido

Sem preço terminar a descida, olhar pra cima e pensar: Uau, como desci ali !

De volta ao grupo e mais alguns minutos nos separam do ponto final da trilha, às margens da nova estrada, asfaltada, que nos levará de volta a La Paz, não antes de um merecido almoço e banho de piscina.

Caminho de Volta

Na van, regressando. Um dia perfeito

Anúncios

Comentários»

1. Izabella - julho 30, 2010

Olá.

Gostei muito das fotos e textos. Estou pensando em fazer essa viagem e gostaria de saber qual foi aproximadamente o gasto de vocês, as dificuldades e provisoes necessarias. Já fiz uma viagem parecida no Peru, eram 60 km mas com uma dificuldade menor. Se puderem me dar umas dicas, agradeço.

Obrigada!
Izabella

2. bttgeraes - setembro 29, 2010

Oi Izabella. Obrigado pelo comentário. Viajar na Bolívia é muito barato. Nosso Real vale muito por lá. Prefiro nao entrar em valores, pq isso varia demais, de viajante pra viajante. Mas é em volta de metade do preço (ou menos) em relacao a uma viagem parecida no Brasil.
Acho até q vale a pena deixar pra comprar muita coisa la, (La Paz, por exemplo) como material esportivo e roupas em geral. Sobre os perrengues, nao se preocupe com eles antes da hora =)! O bacana é viver tudo no momento, de modo natural.
abraços!
Tom

3. Igor Cellani - novembro 2, 2010

Muito bom esse post, também estou afim de fazer essa viagem no feriado de novembro.

Onde consigo contatos? no caso to indo sozinho, encontro uma galera pra fazer esse percurso?

Você pode deixar as dicas ai de como encarar essa?

obrigado!
Igor Cellani

Tom - março 14, 2011

Oi Igor, obrigado pelo comentario. Vc pode contratar esse passeio facilmente em La Paz. Há diversos operadores. Procure antes de fechar, dar uma olhada nas bikes q cada empresa oferece. Pergunte mesmo, certifique-se da config de cada btt. no mais, boa viagem!!

Tom-bttgeares


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: